respiros poéticos

Sábados, entre programas. A escritora/psicóloga Silvia Nogueira compartilha uma breve seleção de textos/poesias na forma de possíveis respiros em meio ao caos. A poesia salva, minha gente! Que seja algum deleite.

Silvia Nogueira: conteúdo, pesquisa e apresentação.

Max Huszar: mixagem e montagem.

@maxhuszar

facebook.com/silnogueirah

respiros poéticos #07

07/11/2020

No inicio deste novembro pandêmico de 2020, um regaço. Neste sabado, um convite pra nos lançarmos ao mar. Com sutileza e suavidade, principiamos com as palavras-de-mar da Sophia de Mello Breyner. seguimos na nau por mares mais ou menos revoltos dando voz às palavras de Melville, Raul Brandão, Alberto Martins e Brecht. S’embora navegaire.

“Patrocinado com recursos do Fundo Internacional de Ajuda do Ministério Alemão das Relações Exteriores da República Federal da Alemanha, do Goethe-Institut e de outros parceiros: www.goethe.de/hilfsfonds

EPISÓDIOS

respiros poéticos #17 segunda temporada

neste sábado, respiros dedicados a todxs que atravessaram o lethes na maré da covid. Inspiradas por rastros poéticos eternizáveis, trazemos as vozes de Antonio Bivar, Olga Savary, Sérgio Sant’anna e Aldir Blanc.

respiros poéticos #16 segunda temporada

Seguimos canoa adentro com as vozes da floresta trazendo axs ouvintes a oralidade poética das falas ancestrais através de um canto ritual maxakali, Popol Vuh e a poética de saberes de Ailton Krenak, Daniel Munduruku e Kaka Wera Jekupe. Teremos ainda os cantos de Dua Busē e Álvaro Tukano, e a música de Ricardo Lozano.

respiros poéticos #15 segunda temporada

Relembramos as palavras de Douglas Diegues na introdução da sua Kosmofonia Mbya Guarani: você vai ouvir uma fala selvagem (…) e descobrir que os Mbya-Guarani ainda não conhecem a linguagem poética, porque eles nunca conheceram outra linguagem que não fosse a linguagem poética — entendemos que essa fala do Diegues serve pra toda lingua ancestral que ressona diariamente em cada canto desta nação, línguas que não se prenderam a desenhos nas peles de imagens de árvores mortas. hoje celebramos o mês de abril com a sabedoria das vozes da floresta: Ailton Krenak, Davi Kopenawa, Cristine Takua e Carlos Papá

respiros poéticos #14 segunda temporada

a conjugação dos sentidos num gesto do tempo. neste sábado, uma ode ao tempo lento. um voo razo em céu profundo << brigadeiro >>, o voo razante, a síntese. com harmonia e gracejo, os haikais. experimentem. comam, mastiguem. vejam, ouçam, sintam. agucem o olfato. respirem. é vital! haikais de Helena Kolody, Alice Ruiz, Orides Fontela y algunos hombres.

respiros poéticos #12

Um convite axs amigxs pra compartilharem seus tesouros e fazerem ecoar suas vozes gostosas no ar, sinto que os abraço. Deixo com vocês esse forte abraço poético com os votos de muita saúde, amor, axé!

respiros poéticos #11

Um convite axs ouvintes por desfiladeiros que enveredar pela poética da prosa sertaneja roseana. Respiros do grande sertão, de Guimarães Rosa.

respiros poéticos #10

Poéticas bricativas nos convocam à potência e leveza do cômico por respiros palavreiros cerzidos por Manuel de Barros, Wilson Bueno, Jacques Prevert e Lewis Carroll.

respiros poéticos #09

Vozes poéticas de mulheres guerreiras repletas de encanto, potência e axé. Palavras de Conceição Evaristo, Elisa Lucinda, Luna Vitrolira e Cidinha da Silva.

respiros poéticos #08

Um voo breve por construção brasileiras de África – e vice o verso. Palavras de Jorge de Lima, Marcelino Freire, Edimilson Pereira e Silvia Nogueira. Vozes: Marcelino Freire, Bia Nogueira, Juliana Notari e Sílvia Nogueira.

respiros poéticos #07

Um convite pra nos lançarmos ao mar, com sutileza e suavidade, principiamos com as palavras-de-mar da Sophia de Mello Breyner, e seguimos dando voz às palavras de Melville, Raul Brandão, Alberto Martins e Brecht.

respiros poéticos #06

“Estar sendo e ter sido”, esta a substância dessas palavras terra-viva. Palavras de amor com corpos presentes – e outras, simultâneas. Palavras de inteira-vida transmutando o corpo e além. Com vocês Hilda Hilst.

respiros poéticos #05

Um voo mais ao sul da América do sul, passando por terras uruguaias, argentinas, chilenas e -claro y siempre! – paraguayas. Nas vozes de Galeano, Cortázar, Monvel e Espíndola.

respiros poéticos #04

Uma breve viagem pelos mais conhecidos heterónimos pessoanos – poemas de Alberto Caeiro e Ricardo Reis, a prosa poética de Bernardo Soares e o veemente trovelinho não menos poético de Álvaro de Campos.