imaginários

sábados das 11h às 12h

Um programa de entrevistas sobre cultura, comunicação e imaginação, conduzido por Jonaya de Castro.

Jonaya de Castro: pesquisa, desenvolvimento dos temas, contatos, entrevista.

Giselle Rocha: pesquisa, desenvolvimento dos temas, contatos.

Kako Guirado e Max Huszar: técnica.

@maxhuszar @jonaya @gisellerocha

imaginários #03

denilson baniwa

03/10/2020

Denilson Baniwa é um artista brasileiro, curador, designer, ilustrador, comunicador e ativista dos direitos indígenas. Conhecido como um dos artistas contemporâneos mais importantes da atualidade por romper paradigmas e abrir caminhos ao protagonismo dos indígenas no território nacional. É indígena do povo Baniwa.

@denilsonbaniwa

“Patrocinado com recursos do Fundo Internacional de Ajuda do Ministério Alemão das Relações Exteriores da República Federal da Alemanha, do Goethe-Institut e de outros parceiros: www.goethe.de/hilfsfonds

EPISÓDIOS

imaginários #08

Jonaya recebe nesse encontro Isabel Hölzl para falarem de Gestão Cultural Internacional e imaginação em pandemia.

imaginários #07

Jonaya conversa com Aarón Hernández Farfán sobre a produção cultural pandêmica.

imaginários #06

Claudelice Santos, ativista pelos direitos humanos e do meio ambiente, conversa com Jonaya sobre o contexto da luta ambientalista no Brasil.

imaginários #05

Conversa com Narrira Lemos sobre a história da internet, segurança digital e democracia.

imaginários #04

Conversa com Jo Pereira idealizadora e desenvolvedora do Mapa Pedal Afetivo e Mapa Afetivo da Mobilidade Ativa.

imaginários #03

Conversa com um dos artistas contemporâneos mais importantes da atualidade. Denilson Baniwa é reconhecido por romper paradigmas e abrir caminhos ao protagonismo dos indígenas no território nacional.

imaginários #02

Conversa com Gil Marçal sobre gestão e produção cultural, políticas públicas, cidadania cultural, e Lei Aldir Blanc.

imaginários #01

A conversa com a gestora cultural Lena Cunha vai investigar possibilidades e práticas que estão acontecendo em Belo Horizonte no período da Pandemia.